CULTURA: Crítica - 127 Horas - Quais os limites da condição humana?

O filme realizado por Danny Boyle é baseado numa história verídica, de Aron Ralston, um alpinista que em 2003 fica preso numa ravina durante 127 Horas no Grande Canyon.

Quem se recorda da notícia, que teve algum mediatismo, tem conhecimento de como se desenrolará o filme, mas é interessante saber como é que Aron Ralston, num caso extremo como este, conseguiu lidar com a situação emocionalmente.

Durante o tempo de clausura, Aron reflecte sobre os momentos da sua vida que o levaram aquela situação, os erros que cometeu e as pessoas que fazem parte da sua vida.

É quase impossível durante o filme não fazer um paralelismo com o Lado Selvagem (Into the Wild), ambos os protagonistas isolam-se das pessoas que o rodeiam e abraçam a natureza como a sua família, e no final tanto Aron Ralston como Chris McCandless (Lado Selvagem) acabam por chegar à mesma conclusão, de que só somos realmente felizes quando podemos partilhá-lo com alguém.

O filme, muito bem realizado por Danny Boyle, mostra James Franco num papel digno de um Óscar, transmitindo ao espectador todo o seu sofrimento, angústia e paranóia.

O facto é que à medida que os dias passam, e não vamos esquecer que são praticamente 5 dias, não deixamos de estar admirados de como é que este alpinista consegue ter a força de espírito para aguentar a situação e para tomar a decisão que tomou e questionamo-nos sobre o que faríamos na mesma situação.

 

O filme avança a um ritmo bastante rápido, e os últimos 20 minutos são vertiginosos com cenas chocantes, capazes de provocar desmaios, como aconteceu em Sidney durante a visualização. É certamente não aconselhado aos mais sensíveis.

 

 

 

O filme estreia a dia 24, vale a pena conhecer a história.

Exibições: 191

Tags: 127 horas, cinema, cultura

Adicione um comentário

Você tem de ser membro de MyGuide para adicionar comentários!

Entrar em MyGuide

Comentário de Hugo França em 24 Fevereiro 2011 às 20:51

Claro que não Maria, aliás eu adorei a tua crítica do "Discurso do Rei" portanto tou ansioso para ler a tua visão.

Melhor montagem e melhor argumento adaptado, embora seja quase certo que o Sorkin ganhe.

Pedro fico a espera do feedback depois.

Comentário de Maria Claudia Rocha Ferreira em 24 Fevereiro 2011 às 19:11

Ups... Também fiz crítica sobre o mesmo filme. Espero que não haja problema, é que não reparei que já havia uma cá.

 

De qualquer forma, adorei o filme. Um sério candidato ao Óscar de melhor montagem, na minha opinião. Boa crítica.

Comentário de Pedro Castanheira em 24 Fevereiro 2011 às 19:07
Vi a apresentação e já está na calha para ir ver. Depois conto
Comentário de Filipe Amorim em 24 Fevereiro 2011 às 14:09
Ahhh! lol era a tua imaginação a fluir Inês! :D Nesse caso acho que vou ver! Acho que as condições mais extremas que vi numa reportagem, foi o facto de pessoas no Quénia alimentarem-se de lixeiras, ou seja, desperdícios alimentares de outras pessoas. A pobreza é tanta que existem gangues para gerir quem se alimenta do "melhor" lixo.. Incrível..
Comentário de Hugo França em 24 Fevereiro 2011 às 11:35

Ahahahah Inês, andas viciada nos programas do Discovery .

Por acaso houve algo que disseste sobre sobrevivência, que não está nada longe da realidade do filme.

De facto existe alguma semelhança entre os 2 filmes, mas a forma como a história está apresentada é um pouco diferente, o Into the Wild é muito mais romanceado da realidade do que no 127 Horas. 

Comentário de Ana Cordeiro de Morais em 24 Fevereiro 2011 às 4:01
belíssimo filme!!! Mas ainda melhor é a história que está por trás... impressionante.
Comentário de Inês M.C em 24 Fevereiro 2011 às 3:00

Ah ah ah ah ah

Lindo! É o que dá falar online Filipe ;-p

A parte da urina era só eu a imaginar o que poderia acontecer sendo uma história de sobrevivência, mas não há nada

sequer no trailer que indique isso...eu é que ando a ver uns programas que passam já nem sei em que canal de

umas histórias de sobreviventes em situações extremas e que conta, esse tipo de pormenores lololol

Quanto ao resto, apesar de ser uma rapariga cheia de sentimentos, e por isso, dessa forma, sou muito sensível

sim senhor...EU ADDDOOOORRRROOOOOOO filmes de terror....

De qualquer forma, no trailer que eu vi, não se vê nada de explícito a não ser a mãozita do Jovenzeco entaladeca no

pedragulhozeco.... :-D

Vamos lá a ver o que acontece....hehehehehehehehehe

Comentário de Filipe Amorim em 23 Fevereiro 2011 às 21:18
Hum.. pelo que a Inês M.C conta, já estou na duvida se vejo o filme se não.. sou um pouco sensível! :-S Contudo, o filme parece relatar uma história incrível de sobrevivência!
Comentário de Inês M.C em 23 Fevereiro 2011 às 15:02

Agora fiquei mesmo curiosa....

Eu vi o "Into the Wild" e amei...assim como à Banda Sonora, mas realmente acaba mal...

Acabei agora de ver o trailer deste e já estou a imaginar...corta a mão?... Come-a?...

Bem...a urina vai ter que beber porque eu já vi numa história de sobrevivência e se a águazinha já está a

acabar, é a únia maneira de se hidratar...mas também acho que passado um tempinho também começa a ficar

muito concentrada, por isso...

heheheheheheheheheh

Tão a gostar da minha conversa? lolololol

Comentário de Maria Costa Domingues em 22 Fevereiro 2011 às 23:24

Impressionante o trailer e a mensagem que o filme deixa.

Siga-nos no Facebook

Sugestão BestGuide

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...