Fonte:portalcinemasapo.

É verdade neste filme as crianças estavam bem, o problema era mesmo os adultos. “The Kid all right” é um brilhante filme que pode ser interpretado de diversas formas. A realidade é que nos traz um pouco daquilo porque já todos passamos ou iremos passar um dia: a incerteza, a frustração, a mentira, a vontade de quebrar regras e desafiar aquilo porque tomamos por certo, por conformismo ou bem-estar para alguns. Este filme fala-nos acima de tudo de relações; quer homossexuais, quer heterossexuais a mensagem funciona da mesma forma. O cerne da história passa pela problemática estabelecida em torno do que as pessoas entendem por felicidade, uma boa relação, mas acima de tudo por estar tudo bem. “All right”, “all right”, “Everything is allright” ouvimos ironicamente inúmeras vezes ao longo da película. Por mais filosofias que se apliquem a realidade é que muitas vezes nem tudo está bem, ou se calhar está e só percebemos isso depois de estragar tudo. Quando já não temos ‘isso’. Às vezes, é necessária a tal entropia para que as coisas voltam ao normal, um normal que entendemos como estar bem. E é essa a mensagem que este “The Kids Are All Right” nos passa.

É um filme bastante leve, que não dramatiza exageradamente a realidade, que nos traz um rol de personagens bastante peculiares. Annette Bening está sublime no seu papel, pode o papel de lésbica “alfa”, digamos, parecer algo fácil de fazer, mas a verdade é que a actriz nos convence completamente sem ser, no entanto, algo forçado ou demasiado bruto. Julianne Mooree Mark Ruffalo mais uma vez actuam lado a lado, tal como em Blindnes, envolvendo-se, ironicamente, também, desempenhando personagens bastante sintonizadas e maduras, a verdade é que se encaixam magnificamente nos papéis. Mia Wasikowska e Josh Hutcherson são um caso mais particular. Mia, embora a tenha achado em anteriores papeis como em Alice bastante apática e sem sal, neste “The Kids Are All Right” funciona bastante bem, dá o toque que é preciso à sua personagem. Já Josh ainda não me deixou com muitas certezas, também acaba por ter pouco relevo em toda a história, mas não se distancia muito do desempenho dos restantes actores.

Apesar de não considerar um dos melhores filmes do ano, esta obra de Lisa Cholodenko acaba por ser deliciosa, por ser uma lufada de ar fresco aos filmes digamos “pesados” que ultimamente têm tido mais visibilidade. Na minha opinião o Óscar caia-lhe bem, mesmo que tenha de o tirar aos grandes, que começo a não considerar assim tão grandes pelo andar das nomeações.

As várias músicas que acompanham o filme do inicio ao fim, além das imagens fabulosas, são também um dos prós deste. Talvez seja por não ter criado grandes expectativas em relação ao filme, mas que me caiu bem caiu.

À partida sentem-se algumas pontas soltas no seu desfecho, no entanto todos acabam por perceber o seu caminho. O da personagem de Julianne Moore, Jules, acaba por ser o que decide todo o rumo da narrativa. Sendo que a personagem de Mark Ruffalo, Paul, consequentemente acaba por também compreender que nem tudo acontece por uma razão e que é preciso esforço para ter algo como uma família. Annette Bening compreende que a perfeição é algo que não existe, e ela e a sua relação também não são sinónimo desta, e o perdão é algo possível. E, por fim, depois desta barafunda toda que começou com a vontade de um filho conhecer o seu pai, acaba com a sensação de que este não é assim tão essencial e que os miúdos realmente estão bem.

Exibições: 67

Adicione um comentário

Você tem de ser membro de MyGuide para adicionar comentários!

Entrar em MyGuide

Comentário de Andreia Alexandra Almeida Mandim em 9 Fevereiro 2011 às 21:00

De uma forma generalizada, posso dizer que vale a pena. Não é certamente um dos que apontaria para melhor filme ao Óscar de 2011, mas tem o seu qb de agradável! :)

Comentário de Filipe Alves em 8 Fevereiro 2011 às 21:58
Já tinha ouvido falar muito bem deste filme e agora ainda mais curioso estou. Ansioso por vê-lo!

COMUNIDADE MYGUIDE

O Myguide.pt é uma comunidade de Viagens, Lazer e Cultura.

Regista-te e publica artigos, eventos, fotos, videos e muito mais.

Sabe tudo sobre o Myguide aqui

Editores em destaque

EM DESTAQUE

Notícias

Vida e obra de Frida Kahlo em livro com ilustrações de Maria Hesse

Criado por MyGuide 10 Out 2018 at 13:00. Actualizado pela última vez por MyGuide 10. Out, 2018.

Música e Cocktails ao final da tarde no Lisbon Marriott Hotel

Criado por Agenda MyGuide 9 Abr 2018 at 15:02. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 9. Abr, 2018.

O Festival de Storytelling regressa a Lisboa e ao Porto

Criado por Joana Sá Pinto 2 Abr 2018 at 13:15. Actualizado pela última vez por Joana Sá Pinto 2. Abr, 2018.

© 2019   Criado por Administrador Transglobal.   Ativado por

Crachás  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço