Se gosta do famoso pão de alho, é bem provável que também aprecie esta receita. É que pão, alho e azeite são os principais ingredientes.
E se pensa que a Gastronomia Tradicional Portuguesa se resume a pratos pesados, com muito feijão, está enganado. O torricado é um prato leve, com ingredientes saudáveis. Além disso, é também bastante atractivo visualmente. Deve ser comido bem quente.

A gastronomia sofre variadas influências. Algumas são de origem religiosa. Noutras situações tem a ver com o clima e com a situação geográfica. Como exemplo temos o Algarve, onde a maioria dos pratos é confeccionado com peixe. No Alentejo e Norte predomina a carne.
Hoje, é fácil ter acesso a qualquer tipo de alimento. Mas antigamente, as pessoas tinham de se resumir ao que o ambiente proporcionava.
No caso do torricado, a influência foi um factor social. A pobreza.
O prato é típico do Ribatejo e de uma parte da Estremadura. Nessa zona, as pessoas sempre se dedicaram ao trabalho do campo. Aí, não é fácil cozinhar e por isso os camponeses tiveram de se adaptar.
José Pedro Estalagem tem 73 anos. Foi aprendendo a receita com o avô, o pai, e pessoas que trabalhavam consigo. Continua a confeccionar o torricado em sua casa, à maneira tradicional. Explica como surgiu esta receita, “Como se fabricava o pão em casa para uma semana, ele endurecia e inventou-se o torricado. Fazia-se uma fogueira com lenha de oliveira e torrava-se o pão. Era feito para os trabalhadores do campo, era económico”.
O torricado era então acompanhado com o bacalhau. Mas também se comia com toucinho, entrecosto, sardinhas ou sável, esclarece José Pedro.
A receita parece simples, mas é preciso alguma prática para a fazer. O pão, de tipo caseiro, deve ser de um dia para o outro, para não se desfazer.
É cortado ao meio, formando duas fatias grandes. Dão-se uns cortes no miolo, em forma de losangos e põe-se a torrar nas brasas.
Depois de dourar esfregam-se os dentes de alho, que vão derretendo. Tempera-se com sal e azeite.
O pão é colocado em cima de uma forquilha de madeira e encostado novamente às brasas. José Pedro diz que fica pronto quando se ouvir o azeite a chiar.
Antigamente, aproveitava-se o azeite que escorria do pão para temperar o bacalhau. Também por ser mais barato era acompanhado a água-pé, em vez de vinho. Seja qual for o acompanhamento, José Pedro só refere uma regra. É que, “Frio não presta”.
A tradição tem vindo a perder-se. De facto, alguns restaurantes já fazem o torricado, mas não da forma tradicional. A maioria torra o pão no forno, em vez de o fazer na brasa. Para José Estalagem, a receita ganha outro nome, “sandes de pão torrado…aquilo não é torricado”.
Para impedir que esta tradição se perca entre gerações, José Pedro já ensinou a receita aos três netos. Orgulha-se que eles gostem de aprender. Mais, faz questão de lhes explicar todos os pormenores, para que tudo saia na perfeição.
A receita caiu em desuso. Mas José Pedro acredita que podia atrair turistas porque, “há muita gente que desconhece”. Para isso só é preciso que o confeccionem é maneira tradicional. Só assim se pode divulgar a Gastronomia portuguesa.

Exibições: 984

Adicione um comentário

Você tem de ser membro de MyGuide para adicionar comentários!

Entrar em MyGuide

Comentário de Jorge Mendes em 26 Janeiro 2011 às 16:24
Azeite grande produto da nossa amada terra. Este ano "tive" um azeite de 4 décimas fabuloso como só a terra beirã pode dar. Aliado a pão sublime só resta agradecer a Deus
Comentário de Jaime Miguel Costa Correia em 20 Janeiro 2011 às 14:09
Depois de ler esta descrição, nem sei onde vou almoçar. Espectacular.
Comentário de Pedro Castanheira em 20 Janeiro 2011 às 12:32
Pois é, o que antigamente era considerado como comida de pobre, hoje é apresentado como comida de rico. Penso que deve estar relacionado com a inflação. Mas que é bom, é.
Comentário de Marina Soares em 20 Janeiro 2011 às 12:14
É verdade, Joana! Não reparei que tinhas comentado há pouco. Boa viagem para Almeirim ;) e não te esqueças de experimentar também a Sopa da Pedra. :P
Comentário de Marina Soares em 20 Janeiro 2011 às 11:02
Pelo aspecto, é assim um pão comprido com duas cabecinhas, parece mesmo o da foto. Agora marchava como segundo pequeno almoço!
Comentário de Joana Sá Pinto em 20 Janeiro 2011 às 11:01
E cá está o Torricado de que já tínhamos falado em: http://myguide.iol.pt/profiles/blogs/gastronomia-torricado-como-a, certo Marina? Obrigada pela receita, Ana. Almeirim, aqui vou eu!
Comentário de Ana Raquel Freire Barreiros em 20 Janeiro 2011 às 10:31
Sim.. conheço bem a tiborna. Os meus avós também são alentejanos. Quanto ao pão, não conheço as "caralhotas" de Almeirim, mas vou provar de certeza!
Comentário de Marina Soares em 20 Janeiro 2011 às 10:26

Que maravilha! As minhas avós fazem parecido no Alentejo com toucinho que se derrete em contacto com o pão quente, mas chamam-lhe tiborna.

E esse pão apetitoso não será do género das "caralhotas" de Almeirim? É o melhor pão do país, quanto a mim!

COMUNIDADE MYGUIDE

O Myguide.pt é uma comunidade de Viagens, Lazer e Cultura.

Regista-te e publica artigos, eventos, fotos, videos e muito mais.

Sabe tudo sobre o Myguide aqui

Editores em destaque

EM DESTAQUE

Eventos em Destaque

Abril 2020
DSTQQSS
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930
       

Notícias

Vida e obra de Frida Kahlo em livro com ilustrações de Maria Hesse

Criado por MyGuide 10 Out 2018 at 13:00. Actualizado pela última vez por MyGuide 10. Out, 2018.

Música e Cocktails ao final da tarde no Lisbon Marriott Hotel

Criado por Agenda MyGuide 9 Abr 2018 at 15:02. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 9. Abr, 2018.

O Festival de Storytelling regressa a Lisboa e ao Porto

Criado por Joana Sá Pinto 2 Abr 2018 at 13:15. Actualizado pela última vez por Joana Sá Pinto 2. Abr, 2018.

© 2020   Criado por MyGuide S.A. Livro de reclamações   Ativado por

Crachás  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço