O termo "viral" já é do tempo em que as novas tecnologias já não eram propriamente novas mas quando o meu disco aceitou o meu primeiro viral ainda se dizia "informática". Eu explico: para a geração 2.0, a tribo dos nativos digitais, a história da viralidade musical não pode ser escrita sem nomes como M.I.A, Ok Go e Simian vs. Justice. Em Portugal, esse papel de aproximação entre o produtor e o consumidor, proporcionado por ferramentas que então surgiam como o MySpace e YouTube, foi brilhantemente desempenhado pelos Buraka Som Sistema.

Era um tempo novo que à velocidade da banda larga já está tão longínquo que o MySpace está a ser lentamente reocupado graças a um efeito revivalista não muito diferente daquele que se passa com o vinil e que começa também a dar sinais com a cassete. Por viral, entende-se a partilha massificada de uma determinada canção em formato vídeo ou áudio - o MSN Messenger, agora semi-abandonado, era o canal mais utilizado - e, já então como agora, preferencialmente sem a intervenção de estruturas convencionais para favorecer a afirmação social do acto.

Regressando à casa de partida, o meu primeiro viral foi pioneiro na criação, de um ponto de vista tecnológico, mas partilhado apenas através de uma televisão Phillips que emitia dois canais a cores.

Sledgehammer, de Peter Gabriel, um hino pop cromático, retirado de um dos álbuns fundamentais para se entender a intervenção da máquina na pop de meados dos anos 80, So, não mais abandonou a minha jukebox visual e não são os nove prémios nos MTV Awards do ano seguinte que agora me impressionam nem sequer o facto de ser o teledisco mais tocado no canal que deixou de ser de música. Vinte cinco anos depois da estreia no ar, a tecnologia é incomparavelmente mais acessível mas são as grandes ideias que continuam a deixar lastro. O recurso a animação em stop-motion e a pixelização era então uma novidade mas duas décadas e meia depois o vídeo resiste actual. E porquê? Porque Peter Gabriel consegue representar a genial esquizofrenia de uma canção inspirada na soul da Stax mas concebida com os recursos já então disponíveis. A máquina executa, o cérebro pensa e o corpo age. Era assim e será também a 7 de Julho quando se apresentar com uma orquestra no Super Bock Super Rock. O contexto pode não ser o ideal mas canções como Sledgehammer ganharam um estatuto de imortalidade que a televisão e a Internet ajudam a perpetuar.

Também a ver no SBSR:

Alabama Shakes

Apparat Live Bad

Bat For Lashes

Battles

Dâm-Funk

Flying Lotus

Friendy Fires

Hot Chip

Jorge Caiado e Vaghan

Kenny Larkin

Lana Del Rey (pela diametralidade do fenómeno)

Little Dragon

Magnetic Man

The Rapture

Exibições: 190

Adicione um comentário

Você tem de ser membro de MyGuide para adicionar comentários!

Entrar em MyGuide

COMUNIDADE MYGUIDE

O Myguide.pt é uma comunidade de Viagens, Lazer e Cultura.

Regista-te e publica artigos, eventos, fotos, videos e muito mais.

Sabe tudo sobre o Myguide aqui

Editores em destaque

EM DESTAQUE

Eventos em Destaque

Fevereiro 2024
DSTQQSS
123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829
       

Notícias

Aulas regulares (e para todos) no Museu do Oriente

Criado por MyGuide 5 Jan 2021 at 10:16. Actualizado pela última vez por MyGuide 5. Jan, 2021.

Pintar como os grandes

Criado por Agenda MyGuide 24 Nov 2020 at 18:30. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 24. Nov, 2020.

É um restaurante?

Criado por Agenda MyGuide 9 Nov 2020 at 11:32. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 9. Nov, 2020.

© 2024   Criado por MyGuide S.A. Livro de reclamações   Ativado por

Crachás  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço