Chovia. E o vento dançava descontrolado. As águas revoltas balouçavam o ferry. Era o último do dia. Chegaria às 18:10, já breu, ao pequeno cais de San Jose del Sur. Subimos ao convés. Pouco mais de uma hora no Lago Nicarágua até à mítica ilha de Omepete. Sentimos na brisa o odor de uma nova realidade.

Dois vulcões. Claramente definidos no horizonte. À nossa esquerda, o Concepcion, de fogo, com 1610 metros. O Maderas, de água, a mais acessíveis 1394. À direita. Deixamos terra e um por de sol fantástico. Rumávamos decididos em direcção ao negro da noite madrugadora. Subitamente, o céu é rasgado por um arco-íris resplendoroso. Afinal, acabariam por ser dois.

Silêncio absoluto. Apenas apreciar o cenário idílico. Seria difícil pinta-lo tão belo na nossa fantasia. As trevas acabam por tomar conta de tudo. O ferry irrompe lentamente pelas águas do Nicarágua.

Há um ‘colectivo’ para transportar os últimos passageiros do dia. “Hoje faltou”, lamenta o ‘génio’ cinquentão que nos acompanhava na berma da estrada. Todos os restantes passageiros tinham já rumado a casa. Passa uma pick up. Levanta a mão. Desaparece sem mais nada dizer.

Minutos depois, uma carrinha de nove lugares cheia de gente. A transbordar de tralha. Acabará por levar ainda mais passageiros. E ir um pouco mais pesada.

Altagracia foi onde montamos acampamento. Um pueblito típico. Com meras quatro ofertas de estadia. Primeira opção esgotada. Segunda horrível. Terceira também sem vagas. Ficaremos no Hotel Central. O melhor da cidade, mesmo algo degradado. Um edifício colonial com belos jardins interiores.


Saída para jantar. É festa, mas no centro da pequena localidade apenas um local serve comida. Frango com o inevitável “gallo pinto”. Ou seja, arroz misturado com feijão. Novamente.

Timidamente, o primeiro cão aproxima-se. Apenas vê de um olho. Dou-lhe plátano frito. Só osso debaixo da pele maltratada. Devora tudo num ápice. Juntam-se-lhe mais dois amigos. Igualmente esqueléticos. Recebem comida, mas não a disputam. Têm medo da gente. São maltratados pelos locais. Apenas por comida arriscam…

Minutos depois, um agitado sexagenário aproxima-se. Tem abordagem algo tresloucada. Diz que tem fome. Julgamo-lo a brincar. Pede autorização e pega no prato do Zé Luís. Roda o corpo e senta-se. De costas para nós. Silêncio.  

--

No site www.bornfreee.com  pode ace­der a outros rela­tos e ima­gens sobre a viagem.

 

Exibições: 149

Adicione um comentário

Você tem de ser membro de MyGuide para adicionar comentários!

Entrar em MyGuide

Comentário de www.bornfreee.com em 25 Novembro 2011 às 5:35

Rui. Meu nome é Rui. E o www.bornfreee.com é um projecto de última hora no qual vou reunir conteudos de muitas das viagens feitas... e onde irei concentrar as imensas (espero) aventuras no horizonte...

A vossa "atenção" estimula a continuar a escrever... obrigado :)

Comentário de Ana Tomasi em 24 Novembro 2011 às 18:23

Olá... bornfreee? Tenho seguido a tua viagem (roída de inveja) e com muito interesse. Escreves bem! Continua. :)

Comentário de Violeta Maio em 24 Novembro 2011 às 14:07

Que experiência...

Um maravilhar de beleza natural e um entristecer com a verdadeira pobreza humana e animal.

COMUNIDADE MYGUIDE

O Myguide.pt é uma comunidade de Viagens, Lazer e Cultura.

Regista-te e publica artigos, eventos, fotos, videos e muito mais.

Sabe tudo sobre o Myguide aqui

Editores em destaque

EM DESTAQUE

Eventos em Destaque

Fevereiro 2024
DSTQQSS
123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829
       

Notícias

Aulas regulares (e para todos) no Museu do Oriente

Criado por MyGuide 5 Jan 2021 at 10:16. Actualizado pela última vez por MyGuide 5. Jan, 2021.

Pintar como os grandes

Criado por Agenda MyGuide 24 Nov 2020 at 18:30. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 24. Nov, 2020.

É um restaurante?

Criado por Agenda MyGuide 9 Nov 2020 at 11:32. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 9. Nov, 2020.

© 2024   Criado por MyGuide S.A. Livro de reclamações   Ativado por

Crachás  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço