PASSEIOS (cá dentro): Lisboa e o guia turístico de Fernando Pessoa


Se Fernando Pessoa fosse vivo seria, decerto, um fervoroso seguidor do MyGuide - http://myguide.iol.pt/.

Vou explicar-vos a minha tese.

Em 1988 foi descoberta na arca do poeta um manuscrito autógrafo que desvendava alguns percursos para turistas. Havia muito mais: descobriu-se uma vertente empresarial embrionária do sonhador do Quinto Império. Pessoa chegou até a projectar uma firma denominada Cosmopolis, em merecimento de uma internacionalização da sua cidade natal, que considerava vir a ser a capital mística da cultura e língua portuguesas, a sua Lisboa. O projecto de Fernando Pessoa intitulado, na língua original, Lisbon: what the tourist should see tinha um objectivo muito claro: dar a conhecer Portugal e desmistificar informações que passavam sobre o país, contra a “descategorização europeia”. Ele próprio deixou expressa a vontade de publicar um guia designado “All About Portugal” e assim o programou, mas a publicação seria póstuma [PESSOA, Fernando – Lisboa: o que o turista deve ver. Lisboa: Livros Horizonte, 1992].

Imaginem-se agora numa viagem guiada por Fernando Pessoa ao património urbano e cultural português. As sugestões de visita são retiradas desta obra de carácter técnico-turístico tendo eu própria realizado uma síntese que partilho no MyGuide.

Demos início à visita. Sintam o ritmo cadenciado e firme, bem ao estilo de Álvaro de Campos. Deixo-vos um excerto do poema, como preparação para o percurso guiado:

(…)

Hé-lá as ruas, hé-lá as praças, hé-la-hó la foule!
Tudo o que passa, tudo o que pára às montras!
Comerciantes; vadios; escrocs exageradamente bem-vestidos;
Membros evidentes de clubes aristocráticos;
Esquálidas figuras dúbias; chefes de família vagamente felizes
E paternais até na corrente de oiro que atravessa o colete
De algibeira a algibeira!
Tudo o que passa, tudo o que passa e nunca passa!
Presença demasiadamente acentuada das cocotes;
Banalidade interessante (e quem sabe o quê por dentro?)
Das burguesinhas, mãe e filha geralmente,
Que andam na rua com um fim qualquer,
A graça feminil e falsa dos pederastas que passam, lentos;
E toda a gente simplesmente elegante que passeia e se mostra
E afinal tem alma lá dentro!

(Ah, como eu desejaria ser o souteneur disto tudo!)

(…)

[Ode Triunfal, Álvaro de Campos]

 

 

Inquietações de um visitante e de um cidadão do mundo também comuns aos olhares dos viajantes e editores do Myguide.

Preparados? Vamos recuar. Imaginem-se em plena década dos anos 20.

Percorram a Praça dos Restauradores e decidam alugar um trem, um automóvel ou um «side-car». Esta é uma das sugestões de Fernando Pessoa. Não hesito em dar-vos a minha própria sugestão: para as senhoras – se preferirem seguir por vosso pé – vejam-se de chapéu cloche enterrado na cabeça ou, versão masculina, de chapéu alto, eventualmente de lunetas, e não esqueçam de guardar na malinha uns binóculos para a ópera da noite.

A visita de Fernando Pessoa não podia deixar de passar às portas de sua casa, aquele que é o verdadeiro centro cultural da cidade, o Teatro de S. Carlos. Refere ainda Pessoa que a Rua do Ouro é a principal rua da cidade devido ao comércio de luxo estilo parisiense. Que estilos poderíamos hoje apurar do nosso comércio? Lanço eu a pergunta…

O nosso guia convida ainda a um espectáculo animado na Praça da Figueira onde fica o popular mercado central com típicas lojas e quiosques de um lado e de outro, situadas por debaixo de uma cobertura de vidro. Hoje não existe tal estrutura e, se pesquisarmos fontes históricas vamos encontrar vários nomes que mudaram ao longo dos tempos: Horta do Hospital, Praça das Ervas e Praça Nova. Dei-me conta, actualmente, que existe na Rua do Alecrim um painel de azulejos do Século XX que retrata a Praça da Figueira de antigamente. Aqui fica um postal que encontrei na blogosfera.

 

Aceitando novo convite de Fernando Pessoa iremos subir a Avenida da Liberdade para nos sentarmos na parte central da Avenida, onde as confeitarias alargam o seu serviço, incluindo a música ao vivo. Hoje, já não é assim… A vida populacional de Lisboa antiga, realizada ao ar livre, mudou-se para zonas fechadas.

As propostas de Fernando Pessoa são inúmeras, passando pelo Aqueduto das Águas Livres, até ao Palácio das Necessidades. Como apêndice, traça a visita a Sintra, via Queluz.

Certamente, o estilo seco e demasiado extenso não faz desta obra uma referência maior, é no entanto, um dos guias mais comprados por turistas na Casa de Fernando Pessoa. Fazendo jus à sua criação, é um guia cuja língua original é a inglesa (com tradução para português de Maria Amélia Santos Gomes), a pensar nos estrangeiros e no que devem saber acerca desta cidade. Não tem “rio da minha aldeia” (Alberto Caeiro), mas viajamos com imensa saudade, através do percurso delineado por Fernando Pessoa.

 

Referência da publicação:

PESSOA, Fernando – Lisboa: o que o turista deve ver. Lisboa: Livros Horizonte, 1992

Na imagem de topo: pormenor da capa

 

 

Exibições: 2054

Adicione um comentário

Você tem de ser membro de MyGuide para adicionar comentários!

Entrar em MyGuide

Comentário de Pedro Castanheira em 22 Março 2011 às 10:27
Com que mais nos irá surpreender Fernando pessoa. Melhor guia não haveria com certeza, a sua cultura, a sua perspicácia e o seu conhecimento de Lisboa torna-lo-iam no melhor guia da cidade.

COMUNIDADE MYGUIDE

O Myguide.pt é uma comunidade de Viagens, Lazer e Cultura.

Regista-te e publica artigos, eventos, fotos, videos e muito mais.

Sabe tudo sobre o Myguide aqui

Editores em destaque

EM DESTAQUE

Eventos em Destaque

Abril 2024
DSTQQSS
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930
       

Notícias

Aulas regulares (e para todos) no Museu do Oriente

Criado por MyGuide 5 Jan 2021 at 10:16. Actualizado pela última vez por MyGuide 5. Jan, 2021.

Pintar como os grandes

Criado por Agenda MyGuide 24 Nov 2020 at 18:30. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 24. Nov, 2020.

É um restaurante?

Criado por Agenda MyGuide 9 Nov 2020 at 11:32. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 9. Nov, 2020.

© 2024   Criado por MyGuide S.A. Livro de reclamações   Ativado por

Crachás  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço