O Porto está na moda, como, aliás, parte da costa portuguesa, Albufeira excluída. É um fenómeno de arrastamento que tanto tem raízes na descoberta de uma Lisboa cosmopolita e luminosa como na revitalização dos monte alentejanos em turismo rural. 

O Porto é outra história: tem a resistência de Barcelona em traços mais suaves e a luz de Manchester. Do ponto de vista dos tons, está do outro lado da bússola em relação a Lisboa. E do geográfico também, apesar da curta distância à luz das distâncias globais. 

No dia 15, o Porto recebe nova D'bandada que, ao contrário do que a fonética sugere, não pretende afastar mas antes aproximar. A primeira edição foi um estrondo com o "centro" criativo do Porto (Livraria Lello, Plano B, o Café Lusitano ou Armazém do Chá) a mudarem de funções para receberem concertos de bandas como Osso Vaidoso e músicos como Noiserv. Foi um acontecimento local, capaz de bombar sangue para a cidade e apenas com nova música portuguesa, nem toda exemplar em matéria de fogo de artifício mediático. 

A entrada volta a ser a livre o que é o mesmo que dizer que a afluência supera a lotação mas a grande lição a tirar é a forma como a música ainda pode mexer com uma cidade. De onde eu venho, Almada, sempre houve bandas. Para a minha geração, os Da Weasel não eram apenas uma bandeira local mas uma fonte de inspiração para quem criar, independentemente de essa criação passar por customizar ténis, pintar muros ou simplesmente escrever. Com a deslocalização dos adolescentes pré-adultos do interior para o centro, esses movimentos locais praticamente desapareceram e mesmo as cidades periféricas são hoje meros dormitórios e lugares de passagem. É também o fruto de uma política de centros comerciais megalómanos em que a "normalização" de valores passou a ser a via única. Talvez a falta de dinheiro para alimentar esses elefantes brancos faça repensar a relação entre pessoas e lugares. E a música pode ter um papel importante.

Bandas: ALTO!, We Trust, Balla, Beatbombers, Birds are Indie, Black Bombaim, Blac Koyote, Capicua, Chullage, DJ Nery, DJ Ride apresenta Pixel Thrasher, Edumundo, Filho da Mãe, Hello Atlantic, League, Memória de Peixe, Miguel Araújo, Minta & The Brook Trout, Mirror People DJ Set, Mr Miyagi, Nice Weather For Ducks, Nuno Prata, Octa Push, Os Pontos Negros, Pedro Cardoso, Peixe, Samuel Úria, Sensible Soccers, Souls of Fire, Stereoboy, The Astroboy, The Poppers, Tren Go!Soundsystem e Youth Culture.

Exibições: 331

Tags: cultura, d'bandada, festival, música

Adicione um comentário

Você tem de ser membro de MyGuide para adicionar comentários!

Entrar em MyGuide

Comentário de Ana Tomasi em 6 Setembro 2012 às 11:17

Também quero ir. Tens uma cama para mim, Joana? ;) Já agora, no outro dia ouvi uma notícia que dizia que o Primavera Sounds, no Porto, tinha sido dos festivais com menor adesão! Porquê?! O cartaz era óptimo e o Porto está já "aqui ao lado"!

Comentário de Joana Sá Pinto em 6 Setembro 2012 às 2:14
Biba o Porto carago. Dia 15 bou lá ...
Comentário de Pedro Castanheira em 5 Setembro 2012 às 22:00

O Porto sempre foi especial e ainda bem que assim é. Dia 15 não posso estar no Porto, com muita pena minha. Outros dias virão. Para a frente é que é o caminho, continuem...

Siga-nos no Facebook

Sugestão BestGuide

Eventos em Destaque

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...