No último fim-de-semana, as manchetes jornalísticas foram largamente ocupadas pela já tradicional rentrée política, sem que nada de relevante tivesse sido dito. A ausência de um plano para o futuro é evidente mas esse vazio no horizonte não obriga a uma vida preenchida pela depressão.

Não é por acaso que os festivais se tornaram manifestações públicas de felicidade, comparáveis às grandes competições desportivas, só que sem o elemento competitivo. Diversos colunistas políticos teriam a tentação de classificar festivais e concertos de ópio do povo, como se a cultura não fosse também uma forma de cidadania. A demagogia de quem não entende que o divórcio entre políticos e cidadãos vem de cima, isto é dos quem deve dar o exemplo, os primeiros, está aí para ser combatida e o primeiro acto é já no dia 31 no Coliseu dos Recreios.

É não só o primeiro concerto da rentrée como igualmente o regresso do velhinho rock que, um pouco como a política, está moribundo, sem ideias e sem capacidade de criar ruptura. Incrível, sobretudo num momento histórico do mundo como é o actual mas uma prova da institucionalização sofrida pelo rock. Parte dessa apatia vem da presença esmagadora de uma classe média alta burguesa nas bandas de rock (Portugal é um bom exemplo). A outra na perda de influência de música de guitarras junto dos "putos", que, por razões práticas e económicas, vêem no software um aliado. 

Nos últimos anos, poucos discos de rock valeram realmente a pena e quando o paradigma do rock são os Black Keys algo tem que estar muito mal. Isso não significa que toda a edição mereça desprezo. Blunderbuss, de Jack White, é também ele um regresso. Neste caso, de Jack White ao viço controlado, depois de um derradeiro álbum balofo com os White Stripes, um disco falhado com os Raconteurs, o segundo, e a pobreza de ideias que sempre afectou os Dead Weather. Naquele que é o seu primeiro título em nome próprio, reencontra um espaço sem virtuosismos exagerados, entre a identidade de guitar hero escritor de canções e o som de Nashville, onde Blunderbuss foi gravado.

Sendo os discos objectos artísticos em risco de extinção e pouco consumidos face à profusão de conteúdos, Blunderbuss é sobretudo um pretexto para os palcos e, ao vivo, costumam acompanhá-lo duas bandas numerosas. Os saudosistas podem ficar descansados: o alinhamento é um pot-pourri da obra de Jack White. E como vai ser bom voltar sentir o Coliseu a estremecer com guitarras.

Vídeo de Love Interruption

Exibições: 141

Adicione um comentário

Você tem de ser membro de MyGuide para adicionar comentários!

Entrar em MyGuide

Comentário de Anabela em 24 Agosto 2012 às 4:57
Finalmente um concerto fora dos recintos das feiras populares

COMUNIDADE MYGUIDE

O Myguide.pt é uma comunidade de Viagens, Lazer e Cultura.

Regista-te e publica artigos, eventos, fotos, videos e muito mais.

Sabe tudo sobre o Myguide aqui

Editores em destaque

EM DESTAQUE

Notícias

Vida e obra de Frida Kahlo em livro com ilustrações de Maria Hesse

Criado por MyGuide 10 Out 2018 at 13:00. Actualizado pela última vez por MyGuide 10. Out, 2018.

Música e Cocktails ao final da tarde no Lisbon Marriott Hotel

Criado por Agenda MyGuide 9 Abr 2018 at 15:02. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 9. Abr, 2018.

O Festival de Storytelling regressa a Lisboa e ao Porto

Criado por Joana Sá Pinto 2 Abr 2018 at 13:15. Actualizado pela última vez por Joana Sá Pinto 2. Abr, 2018.

© 2019   Criado por Administrador Transglobal.   Ativado por

Crachás  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço