Hoje os pés que há meses pisavam solo romano percorrem a calçada portuense a passo de turista. O sol resolveu espreitar depois de semanas e semanas de solitária e, por isso, também o corpo resolveu sair à rua, de Alma renovada.

A Avenida dos Aliados parece concentrar em si os quatro cantos do mundo. Vêem-se pessoas de todas as formas e feitios, em esplanadas, passeios, sopés de estátuas...

A rua que desce a caminho do Douro está em processo de mutação – em obras, por assim dizer – mas não desanima de todo quem por lá passa e sabe o que vai encontrar no final. O rio é recompensa mais que suficiente pelo trabalho de cortar por uma ou outra esquina para fugir aos buracos na estrada.

Os estrangeiros, esses – que o autoproclamam através das pernas cor de cal e cabelos loiros quase brancos – não hesitam em soltar um suspiro de admiração perante o Rio, que “bebe as cores da cidade”. (E. Gonçalves)

A vista é de espanto e, por isso, os olhos esbugalham, a voz fica presa e é esboçado um sorriso, assim, sem mais nenhum porquê, alheio a todos os senãos.

Junto aos cafés, um homem de tez escura toca Bossa Nova. As reminiscências não tardam a pairar no ar, acompanhando o voo das gaivotas e poisando em mim, em cheio na memória de quem sente falta do Tevere como se de um pedaço de Alma se tratasse.

A cúpula do Vaticano, o Castel Sant’Angelo, o Palácio da Justiça deixam em quem os vislumbra eterno deslumbre e eu não me limitei a vislumbrá-los. Contemplei-os. Dias e dias, semanas, quem sabe, já que na sua presença o tempo se perde (sem se perder) – parando, congelando, eternizando-se.

Hoje, de frente para o Douro, sentada na beira-rio na pedra quente do sol, não sei se ria ou se chore, se evoque palavras de agradecimento ou de rancor.

É estranho. É uma guerra entre rios mas, acima de tudo, entre vidas: em Roma vivi uma e hoje existe outra.

Ao Douro sei que tenho a agradecer o esplendor simples das suas margens e subtileza das suas correntes mas não perdoo tudo o que me faz lembrar e sentir.

Ao Tevere são também mil as palavras de gratidão que todos os dias envio telepaticamente mas não esqueço que foi quem roubou o lugar-estrela do Douro – o lugar capaz de mover mundos e fundos interiores, capaz de fazer renascer, feitas fénix, as mais preciosas memórias.

Um e outro, fazem doer porque fazem lembrar e, ao fazer lembrar, fazem sorrir e voltam a fazer doer. Um e outro são saudade palpável. São o que chamo portais de nostalgia.

Exibições: 422

Adicione um comentário

Você tem de ser membro de MyGuide para adicionar comentários!

Entrar em MyGuide

Comentário de Rossana Martins de Freitas em 23 Abril 2013 às 15:42
Adorei e partilhei! ;)
Comentário de Olga Maria Soares Martins de Fre em 22 Abril 2013 às 14:24
Está lindo....

COMUNIDADE MYGUIDE

O Myguide.pt é uma comunidade de Viagens, Lazer e Cultura.

Regista-te e publica artigos, eventos, fotos, videos e muito mais.

Sabe tudo sobre o Myguide aqui

Editores em destaque

EM DESTAQUE

Notícias

Aulas regulares (e para todos) no Museu do Oriente

Criado por MyGuide 5 Jan 2021 at 10:16. Actualizado pela última vez por MyGuide 5 Jan.

Pintar como os grandes

Criado por Agenda MyGuide 24 Nov 2020 at 18:30. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 24. Nov, 2020.

É um restaurante?

Criado por Agenda MyGuide 9 Nov 2020 at 11:32. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 9. Nov, 2020.

© 2021   Criado por MyGuide S.A. Livro de reclamações   Ativado por

Crachás  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço