CULTURA: Ser ou não? Uma questão de hologramas

Há uma revolução em curso na indústria do entretenimento que a Europa conservadora e arcaica ainda não foi capaz de compreender. Quando Dr. Dre e Snoop Dogg ressuscitaram Tupac em Coachella através de um holograma, não se limitaram a oferecer o momento mais alto da edição deste ano do festival; deliberadamente, ambos abriram um precedente na história da música popular que recupera a mãe de todas as questões filosóficas: ser ou não?

O recurso a hologramas não é exactamente novo. A empresa responsável pela representação de Tupac Shakur, morto em 1996 durante o tiroteio gangsta rap que marcou a segunda metade da década, já havia desenvolvido a encarnação de palco dos Gorillaz, no tempo em que estes ainda actuavam atrás do palco. E em 2007, Celine Dion contracenava em palco com Elvis Presley no programa American Idol. Mas nunca ninguém tinha resolvido o problema desta forma.

Os efeitos foram imediatos: Warren G desafiou Diddy (ex-Puff Daddy) a investir no holograma do arqui-rival de Tupac, Notorious B.I.G., também ele uma vítima da luta de gangues. A família de Michael Jackson colocou a hipótese de reabilitar o Rei da Pop na digressão vindoura dos Jackson 5. E até os Queen, pela voz de Brian May, se manifestaram favoráveis à hipótese de um holograma Freddie Mercury. Os primeiros a avançar foram, porém, os representantes de Elvis Presley que assinaram um acordo para que o Rei do Rock volte ao trono supremo: o palco.

Talvez seja este o futuro da indústria do entretenimento. De massas. Com a dispersão provocada pela Internet e a consequente fragmentação, perderam-se referências com dimensão global e transversal. Artistas como Madonna ou os U2 são sobreviventes de uma era que eclodiu no tempo do digital. E hoje, alguns dos maiores nomes dos anos zero como Beyoncé, Coldplay ou Lady Gaga têm mais dificuldade em tocar diferentes camadas sociais e musicais.

Não se trata de pura nostalgia já que há uma rectaguarda tecnológica que legitima este futuro ancorado no passado. Colocam-se questões pertinentes como perceber se as vozes e os gestos serão importados de arquivo ou criados de raiz a partir do material disponível. Como sempre, há uma facção conservadora e defensora de um hipótetico purismo a verberar o fenómeno mas se extrapolarmos no universo da arte, quando observamos um Picasso ou um Rembrandt estamos a ver o original ou uma reprodução? 

Por todo o simbolismo, que não apenas o vazio de símbolos, o holograma de 2Pac é um dos mais importantes acontecimentos da música popular desde que a web 2.0 passou a ser o sistema operativo. E a história ainda agora (re)começou.

Exibições: 639

Adicione um comentário

Você tem de ser membro de MyGuide para adicionar comentários!

Entrar em MyGuide

Comentário de Marina Soares em 12 Junho 2012 às 14:37

Já achava que a ideia tinha algum potencial quando os Gorilazz fizeram a primeira experiência com os bonecos.

Agora é aguardar pelo "meu" holograma: Jeff Buckley! :)

Comentário de Francisco Mendes Alvim em 12 Junho 2012 às 10:22

Muito bom Davide!

COMUNIDADE MYGUIDE

O Myguide.pt é uma comunidade de Viagens, Lazer e Cultura.

Regista-te e publica artigos, eventos, fotos, videos e muito mais.

Sabe tudo sobre o Myguide aqui

Editores em destaque

EM DESTAQUE

Eventos em Destaque

Fevereiro 2024
DSTQQSS
123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829
       

Notícias

Aulas regulares (e para todos) no Museu do Oriente

Criado por MyGuide 5 Jan 2021 at 10:16. Actualizado pela última vez por MyGuide 5. Jan, 2021.

Pintar como os grandes

Criado por Agenda MyGuide 24 Nov 2020 at 18:30. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 24. Nov, 2020.

É um restaurante?

Criado por Agenda MyGuide 9 Nov 2020 at 11:32. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 9. Nov, 2020.

© 2024   Criado por MyGuide S.A. Livro de reclamações   Ativado por

Crachás  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço