Nicarágua tem uns 15 vulcões. Uns mais imponentes. Outros menos vistosos. Nem os guias dos parques vulcânicos sabem a matéria de cor quanto a números e características. Apenas referem que integram uma bela e invulgar cordilheira vulcânica ao longo da América Central.

Decidimos ir espreitar o Masaya. Percebemos, sem muita surpresa, que, afinal, não se tratava de apenas um vulcão. Mas de vários. De uma penada, apanhamos quatro. Sem certezas absolutas, dizem que era um só, enorme, mas que ruiu e deu origem a vários.

Os espanhóis, quando cá chegaram, ficaram convencidos que se tratava da “boca do inferno”. De momento, estes não apresentam actividade que o justifique. Mas há dois ou três séculos tudo era bem diferente.

Pagamos mais do triplo dos locais para ver o mesmo. E se quisermos boleia nos seis quilómetros sempre a subir, há que voltar a ir ao bolso. Sem piedade.

Ainda fomos heróis, caminhando ate ao museu. Mas com menos de 20 por cento do recorrido e já com bafos de fora, optamos por pagar transporte do parque. Serviço “privilege”, na traseira de uma velha pick up. Nada como um ventinho no rosto…

Já no topo, fomos ao mirador. Advertiam para não nos expormos mais de 20 minutos ao enxofre (o vento trazia-o em letais nuvens ate nos). Nem cinco minutos conseguimos. Tosse compulsiva. Descer. Rápido. E subir outra encosta, para ver outro vulcão.

Contemplada bela lagoa que abraça estes vulcoes, hora de inverter a marcha. “Coro” a uns turistas. Estamos com sorte. Novamente em caixa aberta de pick up. Estamos a apanhar-lhe o gosto. Ficamos no museu. O resto do caminho a pé, a curtir. E a partilhar diabruras de infância que deixaram marcas no corpo. Cicatriz na pele. E mente.

Apanhamos transporte para o mercado de artesanato de Masaya. Muitas coisas. Poucas que realmente nos interessassem. Nenhuma que nos fizesse investir.

Almoço apetitoso no mercado. Caminhada para digestão. Novo transporte, em central caótica. Agora ate Caterina. Para ver a sua beleza e contemplar as translúcidas aguas do lago Apoyo. Começou a chover. Muito. Demasiado. Resistimos. Natureza fantástica. Do mais belo que vimos no pais. Mas lamentamos a meteorologia.

Voltar a Granada por caminhos travessos. Sempre em pé. Enlatados. O que mais importa: chegamos a “casa”.

 

Exibições: 47

Adicione um comentário

Você tem de ser membro de MyGuide para adicionar comentários!

Entrar em MyGuide

COMUNIDADE MYGUIDE

O Myguide.pt é uma comunidade de Viagens, Lazer e Cultura.

Regista-te e publica artigos, eventos, fotos, videos e muito mais.

Sabe tudo sobre o Myguide aqui

Editores em destaque

EM DESTAQUE

Notícias

Vida e obra de Frida Kahlo em livro com ilustrações de Maria Hesse

Criado por MyGuide 10 Out 2018 at 13:00. Actualizado pela última vez por MyGuide 10. Out, 2018.

Música e Cocktails ao final da tarde no Lisbon Marriott Hotel

Criado por Agenda MyGuide 9 Abr 2018 at 15:02. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 9. Abr, 2018.

O Festival de Storytelling regressa a Lisboa e ao Porto

Criado por Joana Sá Pinto 2 Abr 2018 at 13:15. Actualizado pela última vez por Joana Sá Pinto 2. Abr, 2018.

© 2020   Criado por MyGuide S.A. Livro de reclamações   Ativado por

Crachás  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço