GASTRONOMIA: Adega Casa de Monte Pedral, Cuba, Alentejo

A jornada de hoje contemplava uma visita a Cristóvão Colombo. Assim sendo, servi-me do meu GPS alternativo, um velho mapa que não me engana, nem me manda para sítios obscuros, como já sucedeu com as máquinas modernas.
Dirijo-me a Cuba, e lá o encontro, bem no centro do jardim/pátio de uma das mais antigas mansões da vila, restaurada em 1804 e cuja arquitetura mantém alguns dos mais tradicionais aspetos da região, com abóbadas e interiores com acabamentos em estuque, forno tradicional e talhas datadas de 1934, construídas na vizinha Vila Alva. A casa está agora transformada em restaurante e adega tradicional.

Quando recebi o convite de José Tomás Soudo, o proprietário, para visitar a adega e ir à comemoração do seu aniversário, estava longe de imaginar que iria mandar às urtigas outras visitas, já programadas, a santuários tasqueiros.

No final da manhã, entre copos e petiscadas, Soudo acede cordialmente às questões por mim colocadas. “O nosso objetivo é confrontar a harmonia entre o vinho da talha e a comida tradicional, definindo assim aromas da gastronomia alentejana com os do vinho. Os vinhos da nossa região são os ideais para acompanhar queijos e petiscos tradicionais, pratos à base de caça, carnes grelhadas ou assadas, e as açordas (sopas de pão), as migas e os ensopados”. Sobre a questão de ter dois espaços distintos, Tomás Soudo elucida-me: “Quando criei a Adega da Casa de Monte Pedral, quis manter toda uma tradição que tende a desaparecer, como é o caso das tabernas alentejanas, com os seus vinhos e petiscos. Quis manter a tradição de um local social, cujos benefícios de frequência são muito salutares, uma vez que constituem uma ótima terapia de relaxamento, fazendo desta adega um lugar de verdadeiro convívio e amizade tranquila, o que nos dias de hoje nem sempre é fácil de conseguir. O restaurante, apesar de mais sóbrio, serve outro propósito. E a comida pode até ser a mesma, mas a apresentação é outra”.

Entretanto, Tomás Soudo retira-se, deixando-me na companhia de uma barriquinha (pequeno copo de vidro abaulado) de branco da talha, para ir ver como vai a “assadura” do leitão preto, prato com o qual irá presentear os seus amigos e este intrometido.

Nos entretantos, atiro-me com deleite aos tachos e cozinhados, desde sempre muito elogiados, mas por mim desconhecidos. Quem se senta é prontamente servido com bom pão caseiro alentejano, acompanhado de queijos, enchidos e miúdos. Enquanto espera pelo repasto principal, pode ir petiscando uns ovos com espargos e cogumelos, uns ovos de codorniz ou presunto de porco preto.

No que diz respeito ao peixe, o bacalhau dita leis, mas aconselha-se também uma saborosa sopa de tomate com cherne, com o pedaço de pão a acompanhar. O achigã também não é de recusar. Se é um carnívoro por excelência, outros prazeres despontam. O porco preto é rei e senhor e, em época de caça, a feijoada de lebre ou o arroz de perdiz são imperdíveis. Se estiver numa onda tradicionalista, decore estas delícias gastronómicas: sopa da panela, sopa de toucinho, migas com carne de alguidar e cabidela de galinha.

Quanto a vinhos, aconselho o da talha, feito com o método tradicional, em jarro ou em copo. Existe também uma carta de vinhos, cuidadosamente selecionada por Tomás Soudo.

No restaurante, quem governa é o chefe Pedro Souto, com os cozinhados aprendidos com a sua mãe e com a sua avó.

Os guardanapos são de pano e têm o nome da casa bordado a azul; as paredes ostentam fatos de toureiro bordados a ouro. A decoração é pautada por relíquias de antiquários, com destaque para a caixa registadora, que só marca escudos, comprada num antiquário em Borba. As paredes são em pedra e em cobre martelado, e o azul é a cor que predomina.

Para descontrair após o repasto, desfrute do belo pátio/jardim, acompanhado por uma boa aguardente daqueles sítios.

Quanto ao meu almoço: no mínimo, divino. Canja de galinha com chouriço e toucinho e um leitão de preto “vestido”, sem aquele molho apimentado da Mealhada.

Com contas perdidas em relação às barriquinhas ingeridas, decidi-me ficar por ali, não fosse ser tramado pelo balão… mas não participei no “cante” alentejano com o qual os restantes convivas decidiram encerrar a tarde.

Adega Casa de Monte Pedral
Praça da República, 7940-163 Cuba
Tlm. +351 936 520 036
Preço médio 15/20 €

Exibições: 5256

Adicione um comentário

Você tem de ser membro de MyGuide para adicionar comentários!

Entrar em MyGuide

Comentário de Orlando Leite em 24 Maio 2012 às 14:34

Texto retirado do livro: "Guia das Tascas e Tabernas de Portugal"

COMUNIDADE MYGUIDE

O Myguide.pt é uma comunidade de Viagens, Lazer e Cultura.

Regista-te e publica artigos, eventos, fotos, videos e muito mais.

Sabe tudo sobre o Myguide aqui

Editores em destaque

EM DESTAQUE

Eventos em Destaque

Fevereiro 2024
DSTQQSS
123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829
       

Notícias

Aulas regulares (e para todos) no Museu do Oriente

Criado por MyGuide 5 Jan 2021 at 10:16. Actualizado pela última vez por MyGuide 5. Jan, 2021.

Pintar como os grandes

Criado por Agenda MyGuide 24 Nov 2020 at 18:30. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 24. Nov, 2020.

É um restaurante?

Criado por Agenda MyGuide 9 Nov 2020 at 11:32. Actualizado pela última vez por Agenda MyGuide 9. Nov, 2020.

© 2024   Criado por MyGuide S.A. Livro de reclamações   Ativado por

Crachás  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço